O Ministério de música na Igreja

Se você sente o desejo de louvar ao Senhor de um modo especial e com uma maior dedicação, venha participar conosco!!!

Lendo o texto à seguir você vai conhecer um pouco mais acerca da importância do louvor e do papel do músico na igreja. 

Quando falamos em ministério temos que primeiramente entender o sentido desta palavra. Na verdade, ministério significa serviço. Neste caso então, o serviço musical na igreja. Quero primeiramente destacar dois aspectos somente do termo "Ministério de Música".



1. Como todo ministério cristão, ele é voltado para a igreja. Todo o ministério não representa um título ou uma instituição em si mesma, é na verdade um serviço de edificação da igreja. Este é o principal propósito do ministério, a edificação do corpo de Cristo. Então o ministério não é voltado para si mesmo nem para exaltar ou promover homem algum, nem é um lugar de demonstração de talento. Todo o serviço musical que não é voltado para a igreja é não está ligado a Cristo não é ministério. Pode ser outra coisa como, grupo, conjunto, banda, até possuir gravações em Cd, mas, ministério...!



2. Outro ponto a ser observado é quanto à música. Há uma diferença entre música e louvor. Na verdade o ministério de louvor e adoração não existe de maneira exclusivista, como até por costume o nomeamos. O serviço de louvor e adoração é prática livre e espontânea de toda a igreja, não é de domínio de alguns "escolhidos". Assim como a oração, a meditação na palavra e outras disciplinas espirituais, a igreja de Cristo tem a liberdade de adorá-lo em espírito e em verdade (Jo 4.23,24). Já o serviço musical exige aptidão, capacitação e estudo específico, e que se faz necessária a separação de pessoas para este determinado fim. Concluímos que para a adoração basta ser igreja, mas, para a música precisa-se de instrução e chamado para este ministério.



O propósito do ministério de música


Temos muitas passagens bíblicas sobre a música e seus usos. Claro que a música por estar ligada a fatores culturais e sociais de cada povo e também por depender de questões temporais, ela varia e possui manifestações diferenciadas e cada uma com propósitos definidos. Mas o que precisamos entender acima destas coisas é o propósito desta música no contexto da igreja (igreja no sentido amplo, universal, sem denominacionalismos, o corpo de Cristo). Então, fora as questões peculiares de cada administração eclesiástica ou costumes e tradições evangélicas, a música deve estar inserida em dois contextos bíblicos, ao menos nestes padrões neo-testamentários para, de fato, atingir o propósito de sua existência ministerial.



· O primeiro está em Colossenses 3.16,17. A música está inserida no contexto de ensino, edificação da igreja. Para isto esta música, e claro, os músicos, devem ser conhecedores da palavra de Cristo, de maneira rica, abundante. Isto porque a música deve expressar e ser também um reflexo da palavra de Deus e da vida de Deus nos músicos. Os hinos e cânticos, sejam eles antigos ou novos, devem ter coerência com as escrituras e até cantar estas escrituras. Vemos muita poesia humana que até possue seu valor, mas o objetivo é declarar a palavra de Deus e não de homens através dos cânticos. Somente assim seremos edificados e edificaremos a igreja. Uma música ou ministério descomprometido com a palavra pode até fazer boa música, mas não a vontade de Deus.



· Em segundo lugar temos Efésios 5.18-20. Já este outro texto bíblico fala do enchimento do Espírito Santo e no qual, entre outros, a música está inserida. A música e a adoração podem e devem ter esta função de edificação, o enchimento sobrenatural da parte de Deus sobre nós, sua igreja. Isto não pode ser explicado naturalmente. A música, mais que isso, o ministério comprometido com Deus, tem a graça e unção para isto. Se este poder não for evidente na vida deste ministério algo está errado, porque é bíblico e normal este propósito. Pela escassez destas coisas na igreja moderna, parece que é algo anormal, que tem que se buscar com sacrifícios humanos, ou alguma técnica especial de composição ou maneira de cantar e tocar, esquecendo-se que de Sua plenitude recebemos graça sobre graça. É o poder de Deus e a liberdade do Espírito atuando sobre a igreja. A música exerce tanto um papel que propicia, favorece este ambiente como ela é um instrumento direto de edificação do espírito. Temos que compreender que a música por si só atinge a alma do homem, mas por também ser um meio de comunicação, ela atinge o intelecto e anuncia a palavra de Deus. Por isto a escritura nos incentiva a tal uso da música. Além do mais, basta observar os Salmos, Cantares de Salomão, Lamentações de Jeremias e outros textos bíblicos em forma de música, que tanto nos edificam.



Estes são, portanto, dois pilares neo-testamentários sobre os quais se apóia a música com propósito na igreja. Lembrando que, adoração é vida comum da igreja, mas para a música se faz necessário o chamado e a aptidão.



Silas Palermo <http://www.adorando.com.br/novo/MusicandoMostra.aspx?codigoMusicando=9>

Por Silas Palermo

FALE CONOSCO        (27) 9.9905-7643

  • Wix Facebook page

+ DOM JOSE FERNANDO DE FARIA

Arcebispo Metropolitano

Primaz de toda América do Sul

da Igreja Anglo Católica

www.anglocatholicchurch.eu

anglicanacatolica@gmail.com

PE. RAFAEL MORAES

PROMOTOR

VOCACIONAL

(22) 99855-8287